Preços das habitações na zona euro | 3º Trimestre 2012

Os preços das habitações na zona euro baixaram 2,5% no terceiro trimestre do ano passado. No conjunto da União Europeia (UE) também se registaram quedas nos preços das casas, na ordem dos 1,9% no mesmo período, face ao terceiro trimestre de 2011.

Esta é a primeira vez que o Eurostat divulga este indicador sobre a avaliação de casas no Velho Continente, com o objectivo de fornecer estatísticas comparáveis e fiáveis sobre o sector a nível nacional, da zona euro e da UE.

Em Portugal, o preço das habitações caiu 7,7% em termos homólogos, mas Espanha (-15,2%), a Irlanda (-9,6%), Holanda (-8,7%) e Estónia (8,4%) registaram quedas superiores.

PDF

Fonte Eurostat | Económico

Investimento em eficiência energética na UE

Tribunal de Contas Europeu (TCE) alerta que 80 por cento dos investimentos dos fundos de coesão em projetos de eficiência energética realizados nos últimos 12 anos não cumpriram o seu objetivo.

“Os Estados-membros empregaram estes fundos fundamentalmente para renovar edifícios públicos e a eficiência energética constituía, no máximo, uma preocupação secundária”, disse Harald Wögerbauer, membro do TCE, citado pela imprensa internacional. Este responsável referia-se a 4000 milhões dos 5000 milhões de euros desembolsados pelos 27 Estados-membros. Ou seja, os fundos foram usados para melhorar condições de conforto e segurança e até para tornar os edifícios mais atrativos.

A denúncia foi feita na passada segunda-feira, numa conferência de imprensa em Bruxelas, por Harald Wögerbauer, que lançou o documento “Rentabilidade dos investimentos em eficiência energética da Política de Coesão”. Todavia, nem todos os números apresentados pelo autor do documento constam no relatório.

O relatório aponta que a média esperada para a amortização dos investimentos é de 50 anos e, em alguns casos, de 150 anos, algo excessivo tendo em conta a vida útil dos componentes renovados e dos próprios imóveis.

Embora todos os projetos tenham sido realizados como planeado, o custo relativo ao potencial de poupança de energia dava mais importância à necessidade de renovação dos edifícios públicos, como a substituição de portas e janelas ou isolamento de telhados e paredes, do que à eficiência.

Durante a investigação, que foi realizada na República Checa, Itália e Lituânia, países que receberam as maiores contribuições no período de 2007 a 2013, o tribunal concluiu que o conceito de rentabilidade não foi um fator na alocação de fundos.

Os auditores também descobriram que alguns Estados-membros, como a Itália, não realizam qualquer auditoria energética antes de conceder dinheiro e não exigem aos destinatários que monitorizem o consumo de energia.

Wögerbauer acrescentou que cabe agora à Comissão Europeia decidir se vai reclamar o dinheiro mal gasto.

Fonte PER

Construction output in euro area | August 2012

Portugal liderou as quedas da produção no setor da construção, em setembro, ao registar -13,4%, de acordo com dados divulgados esta segunda-feira pelo Eurostat. A mesma fonte indica ainda que houve um abrandamento, a este nível, para 1,4%, na Zona Euro, e 1,8% na União Europeia (UE).

O gabinete de estatísticas da UE revela ainda que Portugal é o país com maior perda (-18,2%) no setor, em termos de comparação anual, ou seja, face há um ano.

Já em termos mensais (comparando setembro com agosto) para além de Portugal, a produção no setor da construção desceu também em Itália (-8%), Roménia (-4%) e Reino Unido (-3%). Já as principais subidas foram registadas na Eslovénia (17,1%), Alemanha (2,7%) e Suécia (1,0%).

Por seu turno, na comparação homóloga, a produção na construção abrandou 2,6% na Zona Euro e 5,8% no conjunto da UE.

Itália é o segundo país com maior quebra na comparação anual (-17,8%), seguida da Eslováquia (-14,9%) e Reino Unido (-13,1%). Entre setembro de 2011 e de 2012, a Suécia (4,5%) e a Alemanha (4,0%) registaram as maiores subidas.

PDF

Fonte AF | Eurostat