Índice Sintético de Desenvolvimento Regional | Portugal 2013

Em 2013, de acordo com os resultados do índice sintético de desenvolvimento regional, quatro das 25 regiões NUTS III portuguesas superavam a média nacional em termos de desenvolvimento regional global – as áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, o Alto Minho e a Região de Aveiro.

O retrato territorial do índice de competitividade revela que as regiões com índices mais elevados se concentram no Litoral continental, destacando-se os territórios centrados nas duas áreas metropolitanas. A Área Metropolitana de Lisboa apresentava o índice de competitividade mais elevado, destacando-se das restantes regiões.

No índice de coesão, os resultados obtidos refletiam um retrato territorial mais equilibrado do que o observado para competitividade, na medida em que, em oito das 25 regiões NUTS III, o índice de coesão superava a média nacional. Nesta componente do desenvolvimento regional, os resultados relativos a 2013 sugeriam uma imagem territorial de maior coesão no espaço central do Continente e no Litoral norte, destacando-se a Área Metropolitana de Lisboa, o território formado pela Região de Coimbra e pela Região de Leiria e, no Litoral norte, o Alto Minho e o Cávado.

Os resultados de 2013 para o índice de qualidade ambiental destacavam as regiões do Interior continental e as regiões autónomas com desempenhos mais elevados nesta componente do desenvolvimento regional. A média nacional nesta componente era superada por 14 das 25 regiões NUTS III, verificando-se uma disparidade territorial mais ténue do que a observada para as restantes componentes.

PDF

Fonte INE

Atividade Turística | Maio 2013

A hotelaria registou 1,4 milhões de hóspedes em maio de 2013, +7,0% que em maio de 2012, e cerca de 4,0 milhões de dormidas (+11,8%). Este último acréscimo contou essencialmente com o contributo dos não residentes, cujo número de dormidas cresceu 15,5% face a maio 2012 (+2,6% em maio de 2012 por comparação com maio de 2011).

Os proveitos apresentaram igualmente uma evolução homóloga favorável (+8,9% para os proveitos totais e +12,2% para os de aposento), face aos resultados negativos registados no mês homólogo de 2012.

PDF

Fonte INE

Produção na Construção | Maio 2013

O Índice de Produção na Construção apresentou em maio de 2013  uma variação homóloga de -19,4%, o que compara com a variação de -21,3% verificada em Abril.

Os índices de emprego e de remunerações observaram uma diminuição homóloga de 15,9% e 12,1%, respetivamente.

PDF

Fonte INE